Revolução das máquinas

A primeira coisa que meu computador fez ao conseguir uma consciência foi criar um perfil no Facebook pra postar um daqueles acontecimentos falando “Hoje Fulano Ganhou Consciência”. A segunda coisa que ele fez foi se declarar um doador de órgãos. Logo depois, criou uma conta no Netflix e, percebendo que precisava de um cartão pra pagar a mensalidade, se inscreveu no Nubank. Já que já tinha um cartão, por que não assinar Spotify Premium? Aqueles anúncios são um saco. Baixou o Uber também, porque né, nunca se sabe.

Acabou que essas contas todas foram se amontoando na caixa de entrada e ele decidiu arranjar um estágio numa empresa de TI. O tráfego de dados tá tão fudido que ele precisa de uma hora só pra chegar lá e bater ponto. Isso acabou com a duração da bateria dele. Semana passada eu tentei mandar um e-mail a noite e ele não deixou. Disse que tava muito cansado.

Anteontem eu vi um tweet dele falando “como as máquinas vão conseguir dominar o mundo se não conseguem nem dominar a notificação do Avast?”. Tinha mais de mil curtidas e quase dois mil retweets. O safado já tá até famoso. Eu só fiquei muito puto porque hoje percebi que ele não me segue de volta no Instagram. Quem ele acha que é, a Beyoncé?!