Quem fica pra limpar

(Imagem: Eleonor Davis)

Estilhaços de frases foram varridos e colocados no canto da cozinha para evitar acidentes. Corri para o banheiro a fim de tirar uma palavra que acertou o ouvido direito. Os olhos ardiam de tanto choro, molhei o rosto e vi tudo embaçado. Sentei na bacia e continuei a chorar. Cristais de água e sal formavam um colar de contas que não tinha fim. Comecei a enrolar, mas ele continuava a tomar conta de todo o chão. Abri e bacia e o joguei lá. Ao tocar na água, as contas se dissolveram e nem precisei dar descarga.

Ao chegar na sala, pensei em como relacionamentos se desenrolam entre paredes, em espaços pequenos. Quis gritar mais uma vez, mas não tinha ninguém. Fiquei com medo do eco acertar os móveis e acabar quebrando mais alguma uma coisa. As roupas, os livros foram colocados em caixas. No fim de tudo é assim que terminamos, em caixas de madeira ou de papelão. Um dia estamos espalhados pela casa, no outro no fundo do guarda-roupa. Nunca fui fã de faxinas, nunca consegui terminar uma sozinha. Sempre deixo uma coisa ou outra pra fazer depois e acabo esquecendo.

Não houve festas de despedidas, só coisas partidas, partidas brutas, desfechos tristes. Fui catando tudo que estava pelo caminho, com um pano úmido tirei as marcas de teu nome nas superfícies das coisas que dividíamos. Joguei fora as canecas de porcelana, a roupa de cama, o colchão de casal. Tirei o aspirador do armário e passei nos meus vestidos, no travesseiro, pra tirar o cheiro que já não tinha utilidade.

As coisas perdem o a utilidade rápido, um dia desses nada era lixo, tudo tinha seu lugar e importância. Mas agora tanto faz, tanto fez e nada fiz para merecer tudo isso. Preciso lembrar como eram as coisas antes de tê-las trocado de lugar. Como era quando não dividia o teto com alguém? Tentei descobrir enquanto revivia as minhas coisas guardadas para ter espaço para outros objetos, uns dele, outros nossos. Ainda havia muita coisa no sótão, minhas antigas certezas, meu sonhos antigos, minhas calças jeans surradas. Pelo visto a faxina vai durar alguns meses, mas termino.


Se você gostou dessa história dá uma clicada no coraçãozinho, me conta o que achou no balãozinho dos comentários.

Faça com que essa publicação chegue a mais pessoas! Apareça! Adoro uma boa conversa. Como se diz aqui onde eu moro: “se aprochegue, não se acanhe não!”