Nem sempre dá pra entender

NSDPE — 2. Se a terra tiver um nome bonito

“No verão, Erik foi viver na terra que havia descoberto, e a batizou de Terra Verde (Groenlândia), ‘porque’, disse, ‘as pessoas muito desejarão para lá se mudar se a terra tiver um nome bonito’”. — A saga de Erik, o Vermelho


Os três viveram uma expectativa difícil durante as horas que se seguiram. Não sabiam onde estavam, nem o que esperar das pessoas esquisitas que estavam do lado de fora. Com visão limitada às janelas do barco eles tentaram entender de onde vinha alguma ameaça. Se é que ela viria.

O dia caiu e nada aconteceu. A escuridão trouxe o silêncio entre eles, mas não o sono. Apenas Camperine cochilou por alguns minutos. O medo manteve Watt e Ferrus atentos e com adrenalina pronta para ser usada.

A tensão, no entanto, não durou. Duas horas depois estavam os três em sono profundo no chão da embarcação. O silêncio molhado apenas pelo som do mar nas pedras foi suficiente para que eles dormissem tranquilos.

No calmo raiar do dia, tudo continuava silencioso. Lá fora, ainda as pequenas ondas com um céu bem bonito e laranja durante o amanhecer. Watt abriu os olhos devagar e voltou à realidade com certa angústia, pois tinha sonhado que estava em casa. Sentiu a difícil sensação de querer voltar ao sonho, pois a realidade era bem cruel. Ficou deitado com seu cansaço.

Ferrus também acordou devagar e como raramente sonhava sentiu-se bem disposto. Viu o dia claro e ficou bem confiante. Tinha certeza que ia conseguir alguma comunicação ou que seriam encontrados rapidamente. Seu faro de comandante não o enganaria neste momento complicado. Respirou e expirou essa certeza antes de ficar de joelhos para apreciar o lindo alvorecer pela janela.

- Puta que pariu! — se exaltou

- Caralho, filhos da puta! Joguem eles no fogo! Vamos comer a carne desses animais com azeite de sangue! — acordou Camperine

Watt e Ferrus olharam o companheiro assustados.

- Estava sonhando. Desculpem.

- O que houve, Ferrus? — perguntou Watt

- Eles voltaram, estão na praia de novo!

Camperine e Watt juntaram-se a Ferrus na janela. Desta vez, porém, as pessoas verdes não se incomodaram com o barco. Apenas estavam na praia paradas olhando para o nada. Os três se entreolharam.

- Tem explicação? — perguntou Watt

- É estranho mesmo, o que eles estão fazendo? — respondeu Camperine

- Não! Estou falando do seu sonho.

Camperine ficou nitidamente constrangido mesmo com os companheiros tentando o acalmar, ele disse que teria que sair do barco naquele momento.

Me defequei dormindo. — explicou — Vou lá me lavar e fazer contato com essas pessoas. Não pode ser tão ruim assim.